00:01
0
Desde que surgiu anos atrás, a internet passou por muitas evoluções. Não, não vou falar aqui de web 2.0. Desta vez vou falar de tendências, algo que ainda não está consolidado e sendo usado por todo mundo. Não, não vou falar de web semântica.
Já falamos neste blog sobre como as tecnologias atuais transformaram as formas de leitura na sociedade contemporânea (veja aqui). Um dos impactos disso se deveu à criação dos hiperlinks, que permitem ao leitor decidir por um ou outro caminho quando da sua leitura. A discussão hoje já está em torno da limitação trazida pelas ligações hipertextuais da forma como hoje as conhecemos. Estou querendo dizer que os links representaram um avanço, no sentido de que tornaram possível a navegação rápida entre textos e documentos na web, mas eles só apontam numa única direção, ou seja, embora o internauta/leitor (chamaremos aqui somente de leitor) possa decidir seguir este ou aquele link, caso se decida por um, poderá seguir para um único destino, programado previamente pelo autor da página. Dessa forma, o autor está, sim, tolhendo uma liberdade do leitor que seria de seguir para outro rumo, ao invés de simplesmente decidir seguir ou não um link. O autor continua tendo o poder sobre a que tipo de informação cabe ao seu leitor conhecer.
Agora, vendo por outro lado, o do leitor, não seria interessante que, ao deparar-se com um texto na web, ele pudesse expressar, deixar registradas ali as associações de ideias e recordações de textos anteriores que ele leu? É sabido que um texto qualquer é entendido de forma distinta e causa sentimentos e sensações diferentes a cada um que o lê.
A proposta atual é que cada leitor possa fazer suas próprias associações hipertextuais e registrá-las no documento.
Como isso é possível? Através da tecnologia Co-Link. Essa tecnologia visa permitir que todo leitor de uma página possa criar seus próprios links, editá-los ou apagá-los. Não quer que um link remeta para uma determinada página e sim para outra? Edite, então a ligação hipertextual. A partir da tecnologia Co-link, cada leitor poderá criar um link para uma mesma palavra e quando essa palavra for clicada, você não será automaticamente levado a uma página pré-determinada, será exibido um menu onde você poderá escolher para onde quer ir. Diversas associações poderão ser feitas a uma mesma palavra.
Os links deixarão de ser unidirecionais e passarão a ser multidirecionais.
Não é maravilhoso? Uma mesma palavra poderá apontar para várias outras páginas e você poderá acrescentar mais links a essa mesma palavra, editar ou mesmo apagar esses links quando inoportunos. Veja o quadro abaixo:



Em contrapartida, há quem diga que como isso irá gerar uma sobrecarga de links ainda maior na web, ficará cada vez mais difícil recuperar informação útil nela. Isso sem falar nos sites comerciais colocando robôs para criar links em todo lugar apontando para suas páginas.
Particularmente, você acredita que devemos pensar nesses problemas agora ou somente depois que a tecnologia estiver em pleno funcionamento, com os efeitos colaterias pipocando em todo lugar?
Acesse o site do Co-Link e veja mais detalhes sobre essa poderosa ferramenta. Lá existe a possibilidade de você fazer testes de criação, edição e exclusão de links em uma página de testes. Você também pode baixar um artigo sobre a tecnologia Co-Link escrito por Alex Fernando Teixeira Primo e Raquel Recuero clicando aqui.
Você tem todo o direito de expressar sua opinião. Deixe um comentário logo abaixo!