23:18
0
O país que é conhecido internacionalmente por exportar seus analfabetos jogadores de futebol, por suas mulatas seminuas e pelo turismo sexual vai abrigar os jogos olímpicos de 2016. Sem falar nos milhares de famintos, na violência urbana e na corrupção na política. Que coisa linda! Fico imaginando que tipo de estratégias eles usarão para mascarar ou esconder de vez os miseráveis que andam pelas ruas, pelas esquinas e nos semáforos pedindo um pedaço de pão para não morrer à mingua. Como farão para que o mundo não se escandalize com as menores que oferecem o corpo em troca de umas moedinhas e com os traficantes de drogas que a polícia não consegue combater andando e "trabalhando" livremente pelos 4 cantos do Rio de Janeiro. Pode ser que com a vinda das Olimpíadas para o Brasil (e com elas, as câmeras de TV do mundo todo) a vida de toda essa gente melhore um pouco pelo menos durante os jogos, pois nós sabemos que depois que tudo isso passar, as coisas voltarão ao normal, ou melhor, ao anormal, que para nós já é tão familiar. Será que os chefões da máfia carioca foram consultados e autorizaram a realização dos jogos na cidade que eles comandam? É preciso muita diplomacia, pois ataques terroristas podem ser deliberados até mesmo de dentro dos presídios, não é verdade? Ou você não assistiu a esse filme antes? Vem a infraestrutura e a segurança ostensiva (soldados armados até os dentes em todo lugar) durante os dias de realização dos jogos. Cuidado para não assustar os turistas loirinhos e de olhos azuis que estarão aqui pensando que tudo é festa! A presença maciça do exército brasileiro na ruas pode causar má impressão, minha gente. Também é bom avisá-los sobre os estampidos , para que assim que ouvirem um, saibam que devem se colocar na posição "de 4" e se abrigar detrás de uma parede ou de um carro, sei lá! Algo que os proteja das balas perdidas e dos estilhaços. Avisem também que eles devem evitar andar pelas ruas, mas caso seja extremamente necessário, devem andar sem portar celulares, máquinas fotográficas e filmadoras, pois correm o risco de voltarem sem elas. Capturar imagens para recordar depois, só se for as que puderem levar de lembrança do que viram. Enfim, comemoremos essa conquista com serenidade e sem perder de vista que o Brasil é para os brasileiros.