Resumo 
O objetivo do artigo é refletir, principalmente com base em Moscovici e Vygotsky, acerca do desenvolvimento das teorizações sobre as relações existentes entre os estudos com abordagens cognitivas e sociais que aconteciam na Europa dos anos 60, para compreender o momento histórico em que se deu o início da abordagem social por parte da Ciência da Informação (CI) enquanto ela se institucionalizava com forte tendência a influências norte-americanas na sua composição epistemológica. Suscita reflexões que partem das representações sociais oriundas da Sociologia, bem como da Psicologia Social para procurar perceber influências e/ou equivalências em relação ao surgimento da abordagem social na CI. Apresenta também, brevemente, a visão de Latour sobre a ideia de purificação e de ciência modern
a com o intuito de compreender como a CI se insere nesse quadro teórico. Como resultados, percebeu-se e discutiu-se sobre o retardamento do aparecimento ou da adoção de um caráter social no campo teórico e metodológico da CI, uma ciência não-moderna, aberta a soluções interdisciplinares (fortemente ligadas à Sociologia) para alguns de seus problemas de pesquisa e integrante de uma rede de relações sócio técnicas horizontais.

Palavras-chave: Ciência da Informação - Epistemologia. Representações Sociais. Psicologia Social.